UNIÃO DAS FREGUESIAS DE RAMADA E CANEÇAS

Notícias
  • Calendariza-odasComemora-es.png
  • facebook.png
  • CapaSetembro17.gif
  • hba_logo.png
  • bombeiros-volunt-rios-cane-as.png
  • bombeiros-volunt-rios-odivelas.png
  • logo_psp-1-.jpg

As Freguesias

História

Ramada

Caracterização da Freguesia da Ramada
Quanto à sua evoluçao administrativa, a Ramada é Freguesia desde o dia 25 de Agosto de 1989, desanexada das freguesias de Loures e Odivelas, no Concelho de Loures. Em 19 de Abril de 2001, foi elevada à categoria de vila. Em 19 de Novembro de 1998, pelo motivo da divisão administrativa do Concelho, passsa a pertencer ao Concelho de Odivelas.

Em 2013, por força da Lei da Reforma Administrativa, esta Freguesia foi agregada à de Caneças, passando a designar-se União das Freguesias de Ramada e Caneças.

Com uma área de 3,7 Km2, tem, de acordo com os dados dos censos de 2011, 20 232 habitantes, fruto do Poder Local Autárquico tem identidade própria, história, desenvolvimento económico, social e cultural.

Apesar de jovem a Ramada tem uma história rica de usos e costumes. Tem como simbolos históricos uma Estação Arqueológica no Castelo da Amoreira, um Castro amuralhado da idade do Bronze e o Moinho das Covas, construido em 1884 que é um testemunho vivo da atividade agrícula da época e da região saloia.

Ramada é, no Concelho de Odivelas, emblemática pelos espaços verdes, sempre bem cuidados, da ampla fruição da população e pelos inúmeros parques infântis.
O nome de Ramada advém das armadilhas que se faziam, na ribeira, para apanhar o peixe, como era disfarçada com ramos diziam que era ali armada uma "ramada".

Talvez devido à sua posição estratégica, viveram nesta terra povos que remontam à pré história, comprovado pela existência de uma estação arqueológica. Segundo alguns investigadores neste local terão vivido os povos de nome " Alpiarças", que deram origem aos Lusitanos.

Constituida por núcleos habitacionais antigos, alguns bairros recentemente construídos e urbanizações também recentes e outras em construção, a Ramada continua a crescer, e de dia para dia, vê aumentar a sua população.

A Ramada mantém hoje um crescente desenvolvimento urbano e demográfico, sendo uma das mais jovens Vilas do Concelho de Odivelas.

Caneças

Freguesia de Caneças, criada em 1915, por desanexação de Freguesia de Santa Maria de Loures, foi elevada à categoria de vila em 1991.

Tem uma superfície de 5,9 quilómetros quadrados e cerca de 15.000 habitantes.

Em 19 de Novembro de 1998, por divisão administrativa, passa a pertencer ao novo Concelho de Odivelas, situada a norte deste Municipio, a Freguesia de Caneças é delimitada pelas freguesias de Loures, Ramada, Famões, Casal de Cambra e Almargem do Bispo.

Segundo alguns autores, a povoação de Caneças foi fundada pelos árabes. O topónimo deriva da palavra Caniça que significa templo dos cristãos. A lenda popular, no entanto, é outra. Diz o povo que na passagem de D. Dinis, pela povoação, alguém lhe ofereceu água numa caneca, e daí a perpetuação do nome.

O povoamento da freguesia está registado através de diversas provas documentais dos mais longínquos povos. Os Dolmens de Pedras Grandes e Batalhas, esta já classificada, monumentos funerários de grandes dimensões, atestam à fixação do homem nestas terras desde o período megalítico.

Integram a história da freguesia, de forma importante, as inúmeras fontes que povoam o seu território. A qualidade e abundância das suas águas, levou à sua comercialização em bilhas de barro, muito famosas e procuradas até finais dos anos 60, em Lisboa.

As lavadeiras dos seus rios que lavavam a roupa que as freguesas davam ao “rol” deram origem à película cinematográfica, hoje imortalizada pelo cinema – Aldeia da Roupa Branca – rodada grande parte em Caneças.

De salientar que desde finais do século XVIII, Caneças foi procurada pelas suas águas, ares e frescura dos seus campos,como local de repouso e veraneio, determinando a criação de pólos de cultura e divertimento que ainda hoje perduram.

Tem início em Caneças a notável obra do Aqueduto das Águas Livres.

Em 1994 a Junta de Freguesia abriu concurso para a criação do Brasão e Bandeira, símbolo heráldico que veio a ser aprovado pelo Executivo em Julho e pela Associação de Arqueólogos Portugueses, em 31 de Outubro desse ano.